AVISO À POPULAÇÃO - PRECIPITAÇÃO, QUEDA DE NEVE E VENTO - 14 A 17 DE NOVEMBRO 2019

 

 

                                                                                                                                                                                  

 

                                                      

De acordo com a informação meteorológica disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), prevê-se para as próximas 48 horas um agravamento das condições meteorológicas em relação ao vento, precipitação, neve e agitação marítima, salientando-se:

 

Dia 14: Precipitação com possibilidade de granizo e trovoada mais frequente e intensa nas regiões Norte e Centro; neve acima de 800 metros; rajadas até 95 km/h nas terras altas, que podem ir até 110 km/h na Serra da Estrela e até 85 km/h no litoral Norte e Centro; descida acentuada de temperatura; Agitação marítima forte na costa ocidental.

Dias 15 e 16: Aguaceiros fracos e diminuição da intensidade do vento. Descida de temperatura. Agitação marítima forte.

Dia 17: Passagem de sistema frontal, com precipitação em todo o território e vento moderado a forte nas terras altas. Pequena subida de temperatura.

2. EFEITOS EXPECTÁVEIS

Face à situação acima descrita, poderão ocorrer os seguintes efeitos:

· Piso rodoviário escorregadio e eventual formação de lençóis de água e gelo;

· Possibilidade de cheias rápidas em meio urbano, por acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos sistemas de drenagem;

· Possibilidade de inundação por transbordo de linhas de água nas zonas historicamente mais vulneráveis;

· Inundações de estruturas urbanas subterrâneas com deficiências de drenagem;

· Danos em estruturas montadas ou suspensas;

· Dificuldades de drenagem em sistemas urbanos, nomeadamente as verificadas em períodos de preia-mar, podendo causar inundações nos locais historicamente mais vulneráveis;

· Possibilidade de queda de ramos ou árvores em virtude de vento mais forte, bem como de afetação de infraestruturas associadas às redes de comunicação de energia;

· Fenómenos geomorfológicos causados por instabilização de vertentes associados à saturação dos solos, pela perda da sua consistência.

3. MEDIDAS PREVENTIVAS

O SMPC recorda que o eventual impacto destes efeitos pode ser minimizado, sobretudo através da adoção de comportamentos adequados, pelo que, e em particular nas zonas historicamente mais vulneráveis, se recomenda a observação e divulgação das principais medidas de autoproteção para estas situações, nomeadamente:

· Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento das águas;

· Adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tendo especial cuidado com a possível acumulação de neve e formação de lençóis de água nas vias;

· Não atravessar zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas;

· Proceder à colocação das correntes de neve nas viaturas, sempre que se circular nas áreas atingidas pela queda de neve;

· Garantir uma adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente, andaimes, placards e outras estruturas suspensas;

· Ter especial cuidado na circulação e permanência junto de áreas arborizadas, estando atento para a possibilidade de queda de ramos e árvores, em virtude de vento mais forte;

· Ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a galgamentos costeiros, evitando se possível a circulação e permanência nestes locais;

· Estar atento às informações da meteorologia e às indicações da Proteção Civil e Forças de Segurança.

 

Acompanhe as previsões meteorológicas em www.ipma.pt

 

A TERRA TREME - Exercício Nacional de Sensibilização para o Risco Sísmico – 15 de novembro, às 11:15 horas

 
                                     
 
 
A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) promove anualmente o Exercício Público de âmbito nacional de Sensibilização para o Risco Sísmico, denominado A TERRA TREME (www.aterratreme.pt), 2 medida prevista na Estratégia Nacional de Proteção Civil Preventiva.
Este ano assinalamos a 7.a edição e a data apontada para a sua realização é o próximo dia 15 de novembro, às 11:15 horas.
Trata-se de um exercício nacional organizado pela Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, em parceria com a Direção-Geral da Educação (DGE) e a Direção- Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE).
Pretende-se, com este exercício, capacitar os cidadãos para saber como agir em caso de sismo. Neste sentido, é nosso objetivo que os cidadãos saibam o que fazer ANTES, DURANTE e DEPOIS de um evento sísmico, nomeadamente que conheçam as medidas preventivas e os comportamentos de autoproteção a adotar para se protegem e sentirem mais seguros.
Além da população em idade escolar, cuja adesão à iniciativa tem sido enorme, a ANEPC tem a ambição de ir alargando sucessivamente, ano após ano, a reflexão e o debate em torno da temática do risco sísmico e a participação no Exercício de outros setores da sociedade civil.
Para tal, consideramos estratégico envolver as organizações – públicas, privadas e associativas – neste desiderato coletivo, procurando para o efeito unir esforços e extrair sinergias do conjunto de toda a sociedade, de modo a alcançarmos graus de resiliência individual e coletiva cada vez maiores.
 
O Exercício A TERRA TREME é inspirado no modelo norte-americano ShakeOut.Por todo o país, os Comandos Distritais de Operações de Socorro (CDOS) da ANEPC, em parceria com as comunidades locais, as associações de bombeiros, os serviços municipais de proteção civil, os agentes de proteção civil e as escolas, promovem ações de sensibilização sobre a temática do risco sísmico e as medidas de autoproteção para fazer face ao mesmo, assim como a dinamizam a realização do Exercício A TERRA TREME, na data e hora convencionadas para o efeito.
 
No contexto do Exercício A TERRA TREME, a ANEPC criou:
      O microsite do Exercício (www.aterratreme.pt);
      O vídeo promocional sobre os três gestos que salvam: Baixar – Proteger – Aguardar;
      Os materiais sobre a temática do risco sísmico disponíveis em formato digital disponíveis no site www.aterratreme;
      A hashtag #aterratreme destinada a identificar nas redes sociais as publicações pessoais/institucionais relacionadas com a iniciativa;
      O Cartaz alusivo à 7.a edição do Exercício A TERRA TREME.
 
E propõe aos participantes, além da participação no Exercício propriamente dito, as seguintes ações:
 
      Inscrição individual e/ou da Instituição no sítio digital www.aterratreme.pt/inscreva-se;
      Resposta a um inquérito que visa apurar o grau de perceção do risco sísmico entre os respondentes (http://www.aterratreme.pt/inquerito/);
      Realização de um exercício de evacuação com base num cenário de Sismo por ocasião da data de 15-11-2019, escolhida para a realização do Exercício A TERRA TREME;
      Participação numa sessão de sensibilização sobre as medidas preventivas e os comportamentos de autoproteção a adotar em caso de Sismo;
      Evidenciação no sítio digital e noutros suportes digitais da respetiva Instituição da iniciativa (sob a forma de banners, assinaturas de email, etc.);
      Divulgação do spot vídeo alusivo ao Exercício.
 
O sucesso da iniciativa A TERRA TREME depende do grau de sensibilização de cada um de nós para este tema, nomeadamente do nosso envolvimento e participação ativa no Exercício.
 
É importante, pois, promover amplamente o Exercício entre todos, através das ações acima descritas.
Participe e partilhe!
                                                          TODOS SOMOS PROTEÇÃO CIVIL!

AVISO - Queimas e Queimadas

                                                     AVISO

A Câmara Municipal apela a que - devido AO ELEVADO NÚMERO de solicitações realizadas via telefone para a linha direta das Queimas e para a Câmara Municipal - os interessados contactem também a Junta de Freguesia da sua área de residência, a linha nacional 808 200 520 (chamada gratuita) ou para que acedam ao link : https://fogos.icnf.pt/queimasqueimadas/login.asp. Relembramos ainda, que as comunicações para pedidos de autorização deverão ser feitas com a devida antecedência. Pelo exposto, agradecemos a Sua compreensão. Portugal sem fogos depende de todos.

Mitos e realidades sobre a Vespa Velutina

                          

 

Mitos e realidades da vespa velutina. Saiba exatamente o que é, como agir e quem contactar ou como agir.

https://www.youtube.com/watch?v=Fb1flmAyMQQ

Um vídeo realizado pela VOST Portugal - Associação de Voluntários Digitais em Situações de Emergência

ALERTA VERMELHO - Perigo de Incêndio Rural - 5 a 7 de setembro de 2019

 
 
PERIGO INCÊNDIO RURAL - Alerta VERMELHO
 
 
De acordo com a informação disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera(IPMA), prevê-se para os próximos dias:
-  Vento moderado (até 30 km/h) do quadrante Leste, temporariamente de noroeste forte (até 40 km/h) na faixa costeira ocidental durante a tarde. Nas terras altas, em especial do Norte e Centro, vento forte (até 45 km/h) de Norte/Nordeste a partir do meio da tarde.
Na noite de 5 para 6 de setembro, nas terras altas, em especial do Norte e Centro, vento forte (até 40 km/h) do quadrante Leste até meio da manhã de sexta-feira.
-  Condições de instabilidade atmosférica que dificultam o controlo dos incêndios rurais em especial nas regiões do centro, Estremadura e do interior Norte e Centro.
- Humidade relativa do ar baixa em todo o território, entre 20 e 30% exceto a faixa litoral, entre 10 e 20% no interior, com fraca recuperação noturna no interior e litoral Centro, e sotavento algarvio.
- Temperatura máxima acima de 30 oC na generalidade do território, incluindo a faixa costeira, e entre 35 e 39 oC na bacia do rio Tejo, Estremadura, no Alentejo e nas regiões do centro e no interior algarvio.
- Sábado e domingo, continuação de tempo quente e seco, com fraca ou má recuperação noturna da humidade relativa do ar em todo o território, vento do quadrante Leste até sábado, forte nas terras altas durante a noite e possibilidade de condições atmosféricas propícias a comportamentos erráticos dos incêndios, dificultando o seu controlo, nas regiões do interior.
 
 
 EFEITOS EXPECTÁVEIS
O índice FWI (indicador relativo da intensidade do fogo), determinado pelas condições meteorológicas e pelo estado de secura da vegetação, apresenta valores elevados. Assim, prevê-se um aumento das ignições face ao incremento da atividade humana junto dos espaços rurais.
 
 MEDIDAS PREVENTIVAS
 
 
O Serviço Municipal da  Proteção Civil recorda que, face a situação meteorológica e ao risco de incêndio máximo, é PROIBIDO:
 
- Fazer Queimadas Extensivas;
- Fazer Queima de Amontoados;
- Utilizar fogareiros e grelhadores em todo o espaço rural salvo se, usados fora das zonas críticas e nos locais devidamente autorizados, para o efeito.
- Fumar ou fazer qualquer tipo de lume nos espaços florestais.
- Lançar balões de mecha acesa e foguetes. O uso de fogo-de-artifício só é permitido com autorização da câmara municipal.
- Fumigar ou desinfestar apiários exceto se os fumigadores tiverem dispositivos de retenção de faúlhas.
- Usar motorroçadoras (excepto se possuírem fio de nylon), corta-matos e destroçadores. Deve evitar o uso de grades de discos. 

Para esclarecimentos adicionais contacte o Serviço de Proteção Civil da Câmara Muncipal de Vale de Cambra (256420510).

SABIA QUE É OBRIGATÓRIO POR LEI EFETUAR O CORTE DE VEGETAÇÃO DOS TERRENOS EM REDOR DAS HABITAÇÕES ATÉ 15 DE MARÇO DE 2019?

A Câmara Municipal de Vale de Cambra ALERTA que  até ao dia 15 de março

 de 2019 os proprietários, arrendatários, usufrutuário ou entidades que a qualquer

título detenham terrenos confinantes com edifícios inseridos em espaços rurais,

são obrigados a proceder ao corte de vegetação numa faixa de 50 metros à volta

daqueles edifícios e 100 metros em redor das aldeias.

EM REDOR DAS HABITAÇÕES (50 M) E DAS ALDEIAS (100 M) DEVERÁ:

- proceder à limpeza total do mato
- afastar as copas das árvores 5 metros do edifício
- derramar a árvore 4 metros acima do solo
- no caso do Pinheiro Bravo e Eucalipto proceder ao afastamento de 10 metros entre copas
- outras espécies florestais o afastamento é de 4 metros entre copas
- o afastamento entre copas deverá ser feito conforme o esquema abaixo

As multas por não cumprimento poderão ir até aos 10 mil euros para particulares

e 120 mil para pessoas coletivas.

Qualquer dúvida pode ser esclarecida junto do

Gabinete Técnico Florestal da Câmara Municipal de Vale de Cambra.

Contactos: 256 420 510 ou e-mail: gtf@cm-valedecambra.pt

Comunicação e autorização de QUEIMAS, QUEIMADAS E FOGUEIRAS

As diretrizes do Governo para este ano no que respeita às leis da Floresta já saíram. Nesse sentido, o estado deliberou (através das alterações introduzidas pelo Decreto Lei n.º 14/2019 de 21 de janeiro ao DL 124/2006 de 28 de junho) que a realização de queimadas, queimas de sobrantes, bem como a realização de fogueiras está regulamentada da seguinte forma:

  • QUEIMAS

Uso do fogo para eliminar sobrantes de exploração (vegetação), cortados e amontoados.

— Durante o período crítico ou quando o índice de risco de incêndio seja de níveis muito elevado ou máximo é obrigatório solicitar autorização à Câmara Municipal para a queima de matos cortados e amontoados e qualquer tipo de sobrantes de exploração;

— Fora do período crítico e quando o índice de risco de incêndio não seja de níveis muito elevado ou máximo, a queima de matos cortados e amontoados e qualquer tipo de sobrantes de exploração, está sujeita a comunicação prévia à autarquia local;

— Durante o período crítico ou quando o índice do risco de incêndio seja de níveis muito elevado ou máximo, a queima de matos cortados e amontoados e qualquer tipo de sobrantes de exploração, sem autorização e sem o acompanhamento definido pela autarquia local, será considerada uso de fogo intencional.

  • QUEIMADAS

Uso do fogo para renovação de pastagens e eliminação de restolho e ainda, para eliminar sobrantes de exploração (vegetação) cortados mas não amontoados.

— A realização de queimadas só é permitida após autorização do município, tendo em conta o enquadramento meteorológico e operacional, bem como a data e local onde a mesma é proposta.

— A realização de queimadas sem autorização e sem o acompanhamento definido no presente artigo, deve ser considerada uso de fogo intencional.

 

COMO EFETUAR A COMUNICAÇÃO OU PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO?

  • Linha "Queimas e queimadas" da Câmara Municipal - 256 420 535
  • Linha Nacional - 808 200 520
  • Página - https://fogos.icnf.pt/queimasqueimadas/login.asp
  • Junta de Freguesia da sua área de residência

 

As diretrizes da Legislação imposta dizem ainda que o não cumprimento constitui uma multa que pode oscilar entre os 280€ e os 10.000€ para pessoas singulares e de 1600€ a 120.000€ para pessoas coletivas.

Qualquer dúvida pode ser esclarecida junto do Gabinete Técnico Florestal da Câmara Municipal (telefone 256 420 510) ou do e-mail: gtf@cm-valedecambra.pt

PERÍODO CRÍTICO 2019 01 JULHO A 30 SETEMBRO

 

                                                  

O período crítico no âmbito do Sistema de Defesa da Floresta Contra Incêndios para o ano de 2019 vigora de 1 de julho a 30 de setembro.

 
Tenha em atenção que durante o Período Crítico nos espaços florestais e agrícolas é PROIBIDO:
 
  • fumar, fazer lume ou fogueiras;
  • fazer queimas ou queimadas;
  • lançar foguetes e balões de mecha acesa;
  • fumigar ou desinfestar apiários salvo se os fumigadores estiverem equipados com dispositivos de retenção de faúlhas; 
  • a circulação de tratores, máquinas e veículos de transporte pesados que não possuam extintor, sistema de retenção de fagulhas ou faíscas e tapa chamas nos tubos de escape ou chaminés.
Estas ações só são permitidas fora do periodo crítico, com índice de risco de incêndio menor que muito elevado.
 

Perigo de Incêndio Rural - 31 de maio a 2 de junho de 2019

 

PERIGO INCÊNDIO RURAL
 
De acordo com a informação disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera(IPMA), prevê-se para os próximos dias a continuação de tempo quente e seco, com persistência de condições meteorológicas gravosas para o risco de incêndio, que se traduzirá:
 - Valores de temperatura acima do normal para a época, em especial nas regiões Centro e Sul.
 - Vento predominante do quadrante Leste, rodando temporariamente para Norte na faixa costeira durante a tarde, soprando moderado a forte nas terras altas (até 45 km/h) até ao final da manhã e voltando a intensificar a partir do final da tarde (em especial nas regiões do Algarve e Trás-os-Montes).
-  Baixos teores de humidade relativa do ar (HRA), que poderão ser <15% em toda a região Sul, no Vale do Tejo e nas regiões de Setúbal e Lisboa e <30% nas regiões Norte e Centro, com fraca recuperação noturna. Prevê-se que estes teores diminuam amanhã, no Algarve e Baixo Alentejo.
-  A percentagem de água no solo não sofreu alterações nos últimos dias, mantendo-se inferior a 20% na generalidade da região a Sul do rio Tejo e nas regiões do interior Norte e Centro.
 
Este cenário meteorológico irá traduzir-se num aumento dos índices de risco de incêndio, entre amanhã e domingo, com condições favoráveis à rápida propagação de incêndios rurais.
 
 EFEITOS EXPECTÁVEIS
 
Considerando a informação meteorológica, esperam-se condições favoráveis à eventual ocorrência e propagação de incêndios rurais, em especial nas regiões do Centro e Sul.
 
 MEDIDAS PREVENTIVAS
 
Para os locais onde o índice de risco temporal de incêndio seja igual ou superior ao nível MUITO ELEVADO, não é permitido (a):
 
         - O uso de fogareiros e grelhadores é proibido em todo o espaço rural, salvo se usados fora das zonas críticas e nos locais devidamente autorizados para o efeito;
         -É proibido o lançamento de balões com mecha acesa e de foguetes. O uso de fogo-de- artifício só é permitido com autorização da Câmara Municipal;
         - É proibido fumigar ou desinfestar em apiários exceto se os fumigadores tiverem dispositivo de retenção de faúlhas.
         - A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) recomenda a adequação dos comportamentos e atitudes face à situação de perigo de incêndio rural, nomeadamente através da adoção das necessárias medidas de prevenção e precaução, na utilização do fogo em espaços rurais, observando as restrições em vigor e tomando especial atenção à evolução do perigo de incêndio para os próximos dias, disponível junto dos sítios da internet da ANEPC e do IPMA, junto dos Gabinetes Técnicos Florestais das Câmaras Municipais e dos Corpos de Bombeiros.

Assim,  recorda-se que, de acordo com declaração da Situação de Alerta em vigor, é proibida a realização de queimadas e de queimas de sobrantes de exploração.

"A DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS"-Sessão de informação e esclarecimento 23 de maio: 14h30 no Edifício Municipal

                            "A DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS"

                                    Sessão de informação e esclarecimento



Em parceria com o Núcleo Ambiental da GNR de Oliveira de Azeméis,vamos

saber mais sobre a defesa da floresta, o que está nas mãos de cada um de nós,

legislação em vigor e outras temáticas relacionadas.



Entrada livre!

Conteúdo sindicado